Linha do Tempo

1912
19 de dezembro. É fundada a Universidade do Paraná, que mais tarde se tornou a Universidade Federal do Paraná, com suas instalações em um modesto Sobrado na Rua Comendador Araújo, 42.
O aprendizado prático do Curso de Medicina era realizado na Santa Casa, no Hospital Nossa Senhora da Luz e, a partir de 1930, em outros hospitais como a Cruz Vermelha e o Hospital Oswaldo Cruz.
1918 Uma epidemia de gripe espanhola se alastra pelo Paraná e o curso de Medicina da UFPR passa a ter importância fundamental. O Grêmio dos Acadêmicos de Medicina, hoje conhecido como diretório Nilo Cairo, atendeu vários pedidos de prefeituras do interior do Estado e receberam votos de louvor e gratidão externados nos principais jornais.
1935 Milton de Macedo de Munhoz, médico e professor da Universidade do Paraná, é designado para o cargo de Secretário da Faculdade de Medicina no qual desenvolveu importantes iniciativas para a melhoria do ensino, sentindo então a necessidade da construção de um hospital-modelo, para complementar o ensino dos médicos.
1946 Prof.Milton Munhoz é designado como Diretor Geral da Saúde Pública do Paraná, escolhido pelo interventor do Estado general Mário Gomes da Silva, que por poucos meses exerceu a interventoria no Estado. Eleito governador do Paraná, Moysés Lupion, mantém o Milton Munhoz no cargo sendo o único integrante do governo-temporão a permanecer. De sua amizade com o governador Lupion, nasceu a possibilidade da construção do Hospital de Clínicas.
1947 Em outubro, Milton Munhoz apresentou a Lupion um projeto do hospital que, originalmente, deveria servir a Faculdade de Medicina, mas com administração do Estado.
1948 O ato n. 4007/48, publicado no Diário Oficial do estado, desapropriou uma área de 2.687 m2 de um terreno de propriedade de Agostinho de Leão Júnior, destinada a construção do prédio central do Hospital de Clínicas.
1949 Lançamento da pedra fundamental, início das obras.
1950 4 de dezembro a Universidade do Paraná passa para o governo federal passando a ser designada como Universidade Federal do Paraná. Iniciam-se as articulações para a transferência do HC para a UFPR, com importante apoio do reitor Flávio Suplicy de Lacerda.
1953 O Hospital de Clínicas, ainda por terminar, é foi incorporado ao patrimônio da UFPR pela lei estadual nº 1212.
1954 Maio, a equipe do Prof. Odair Pacheco da Universidade de São Paulo, que havia feito projetos do Hospital de Clínicas de São Paulo e da Santa Casa de Santos, e que foi contratada pela UFPR, procede a revisão e atualização do projeto original, que previa apenas o prédio central, ampliando a área a ser construindo com a inclusão dos edifícios anexos.
1959 Finalização da construção. É constituída uma comissão de Equipamento do HC, presidida por Milton Munhoz em a participação dos Srs. Ewaldo NickelVicente Bettega e Haroldo Beltrão. A estes homens a planificação de utilização de um hospital de dimensões inéditas para o Paraná na época - 42.000 metros quadrados - e cujo equipamento cirúrgico foi importado diretamente, permitindo uma grande economia.
1960
Em 26 de março - poucos dias antes de deixar o governo, Moyses Lupion - que havia iniciado a obra - inaugurava o HC, numa cerimônia em que o presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira não pôde comparecer, sendo representado pelo seu ministro da Educação e Cultura, o gaúcho Clovis Salgado.
O corpo funcional começa a ser estruturado. O objetivo inicial de um grupo de médicos era o de trazer enfermeiras suecas para organizar o Serviço de Enfermagem do HC. Foi feito então um contato pelo Prof. Dr. Milton Munhoz, com a Congregação das Filhas de Caridade. A partir daí, foram escolhidas a Irmã Verônica Tartas, para a chefia da Seção de Enfermagem, Irmã Regina Magrin, para organizar e chefiar o Centro Cirúrgico e a Irmã Lídia Kokult, para organizar o Serviço de Nutrição. As quatro enfermeiras iniciaram suas atividades no dia 26 de dezembro de 1960.  
1961
Prof. Milton Munhoz é designado como o Diretor de Instalação do HC.
-   No dia 06 de janeiro de 1961, mas quatro enfermeiras vieram juntar-se às pioneiras, que foram: Irmã FagundesLeonida Devegili, Josefa Lourenço Meira e Yoshie Hayashi.
-   Ao assumir a Presidência da República, Jânio Quadros, em seu primeiro ato, baixou decreto que proibia pelo prazo de um ou dois anos, qualquer contratação de pessoal em âmbito Federal. Com isso, em 28 de fevereiro de 1961, os profissionais que já se encontravam em atividade no Hospital de Clínicas tiveram que retornar às suas antigas lotações, e o HC fechou suas portas.
-   Em junho de 1961, o Hospital reabriu, com 366 leitos autorizados pelo Ministério da Educação e Cultura. Os funcionários dispensados por decisão superior foram reconduzidos ao trabalho. O presidente Jânio Quadros determinou que todos os hospitais da União que estavam fechados, iniciassem os preparativos para a inauguração. Só que ele não pode comparecer na reinauguração, e o HC começou a prestar atendimento mesmo sem a cerimônia oficial. Neste mesmo mês no dia 03 é realizado o primeiro parto no Hospital de Clínicas feito pela Irmã Maria Regina Magrin, era um menino que se chamou Milton Flávio em homenagem ao Diretor de Instalação (Milton de Macedo Munhoz) e ao reitor da UFPR na época (Flavio Suplicy de Lacerda). Nessa época, o expediente das enfermeiras tinha início às 7 horas, sem horário para saída.
-   No dia 05 de agosto ocorre a cerimônia oficial de inauguração com a presença do presidente Jânio Quadros, que realizou uma minuciosa visita a todas as unidades do hospital que foi declarado oficialmente em funcionamento.
-   A nova diretoria do HC(gestão 1961-1965) tem a sua diretoria composta da seguinte forma Diretor Geral: Prof. João Átila Rocha; Diretor da Divisão Técnica: Dr.Eloi Vicente Bettega; Diretor da Divisão Administrativa: Engº Ewaldo Nickel Júnior; Diretor da Divisão Médica: Dr. Haroldo Trevisani Beltrão; Chefe do Corpo Clínico: Prof. Heinz Rucker
            A partir da inauguração vários serviços também tiveram o início:
Serviço de Radiologia: sob a coordenação do Dr. Roaldo Cornelsen Koeller, iniciou com a colaboração dos médicos: Dirceu Rodrigues, Carlos Norberto Cunha Pacheco e Milton Munhoz Filho. O Técnico em radiologia Alcides Franco da Rosa, também iniciou atividades no HC nesta mesma época e atua até hoje no mesmo local.
Serviço de Hemodinâmica: localizado no 2º andar do prédio central, iniciou suas atividades tendo como coordenadores os médicos Paulo Franco de Oliveira e Flavio Suplicy de Lacerda Filho.
Serviço de Transfusão: teve como primeiro chefe o Dr. Airton Russo auxiliado pelo Dr. Mauro A. Russo.
Laboratório Clínico, cujas instalações eram localizadas no 2º andar do prédio central (ala posterior), por sugestão do Prof. Anchises Marques de Faria, teve como primeiro chefe o Profº Hamilton Lacerda Suplicy. E um dos primeiros colaboradores foi Edmundo Reichmam. Entre os médicos que atuaram no início do seu funcionamento estão: Alberto Accioly Veiga, Paulo Barbosa da Costa, Milton Carneiro Filho, Terezinha Hoffmann, Olívio Paulus Júnior, Fredolin Schloegel.
Serviço de Anestesiologia, teve como chefe o Dr. Armando Obladen. Os primeiros anestesiologistas do Hospital foram: Marlus Chesneon Lens César, Ney Regattieri Nascimento, Carlos Henrique Jacob, Sebastião Tarayalla Bacila, Armando Lambade e Iram José Bittencourt.
Serviço de Patologia, situado no anexo C, iniciou suas atividades no dia 1º de agosto de 1961, sendo seu primeiro encarregado o Prof. Augusto Colle, que contou com a colaboração do Prof. Rui Leal e da Draª Gilda Kesting.
Uma das preocupações que marcaram o início do funcionamento do Hospital foi a contratação de pessoal qualificado para coordenar os serviços complementares médicos em especial o Serviço de Emergência. Para tanto, a primeira providência foi nomear o Professor Almir Cordeiro Cortes como coordenador da Emergência e, como plantonistas os médicos: José Carlos Ross, Egas Penteado Izique, Antonio Carlos Rocha Sprenger, Antonio Luiz Pelissois, José Maria Del Claro, Luiz Carlos Sobania, Roberto Mario Clausi, Taufik Arrata, Hélio Germiniani, Amadeu Cassilha, Dinart José Giraldi, Leide Parolin Marinoni, Sérgio Brenner.
 
Serviço de Eletrocardiografia que contava com os serviços profissionais do Dr. Hélio Germiniani.        
 
Serviço de Endocrinologia por iniciativa do Dr. Atlântico Borba Côrtes
1962 Teve Início a obrigatoriedade do estágio no HC-UFPR para o 6° período do curso de Medicina e é feito o convênio para outros estudantes do país.       Ainda esse ano foi fundada a Associação dos Funcionários do HC e instalado o Serviço de Emergência no 2°andar. Criação do Serviço de Capelânia pela Província Camilliana Brasileira.
1963
Foi realizado concurso para o preenchimento de vagas para todas as categorias.
Acontece a primeira crise interna devido ao aumento da carga horária de 6 para 8 horas conforme o decreto do Ministro da Educação e ainda nesse ano tem inicio a Residência Médica. O HC era composto de 200 médicos, 600 estudantes e 600 funcionários, composto por um departamento de Clínica Médica e 12 clínicas
1964 As verbas foram reduzidas no Hospital das Clínicas devido a uma crise política no Brasil. Ainda esse ano o PA funcionava já com a triagem feita no local onde hoje é o estacionamento da direção, com as consultas sendo realizadas na atual radiologia 2° andar. Nos anos 70 passou ao andar térreo do anexo B (atual PA da pediatria)
1965 A jornada de trabalho é reduzida novamente para 6 horas e o Hospital sofre nova crise com cortes de verbas e a suspensão das nomeações. Prof. Hernani S. Alvesassume como Diretor Geral e permanece até 1967.
1966 A otorrinolaringologia, que foi separada da oftalmologia, passou aos cuidados do Prof. Dr. Leônidas Mocellin. A especialidade de Pediatria também se subdividiu em especialidades e surge o Serviço de Hemato-oncopediatria, para tratamento de câncer infantil, conduzida pelo Drs. Amadeu Cassilha e Dionísio Abrão, atualmente este é um dos serviços de referência do HC.
1967 Assume a Direção geral o Professor Heinz Rucher.
1968 Uma nova crise desponta e a Maternidade é fechada por causa de um caso de varíola e a falta de água na cidade quase paraliza o funcionamento do Hospital
1969 Assume como Diretor Geral interino o Prof. Eloi Vicente Bettega.
1970  - Salários de professores sofrem atrasos.
1971 É grande a falta de sangue e verbas. Assume a direção do Hospital o Prof. Reginaldo Werneck Lopes, espanta o fantasma da crise e o Hospital, com a situação equilibrada, consegue aumentar o número de funcionários e leitos e incrementar as pesquisas.
1972  O HC se torna oprimeiro centro médico do país a criar o Centro de Diagnóstico em Doenças Neuro-muscular no Serviço de Neurologia.
1973 Foi realizado o primeiro transplante renal e a direção do HC muda novamente com a nomeação do Prof. Alberto Accioly Veiga que permanece até 1984, ficando como interino o Prof. José Carlos Ross.
1974  O Hospital das Clínicas começa a atender pacientes pela Previdência, e tem início as atividades da Unidade de Terapia Intensiva – UTI. No 5° andar e é aberto o Serviço de Isolamento.
1976
A UTI é transferida para o 6° andar e ganha uma melhora significa no atendimento.
São criados os Serviços de Cirurgia do Aparelho Digestivo tendo como chefe o Prof. Dr. Giocondo Villanova
1977 Início das atividades de Cirurgia Plástica com o concurso para professores, assistentes no departamento de cirurgia para prover a recém-criada disciplina de cirurgia Plástica e Reparadora da UFPR.
1978 É inaugurado o Banco de Leite Humano que atualmente é referencia como maior do pais em volume. É inaugurado o Serviço de Hematopediatria.
1979
 - Acontece o primeiro Transplante de Medula Óssea da America Latina e é realizado pelo Serviço de Transplante de Medula Óssea, realizado pelos médicos hematologistasEurípedes Ferreira e Ricardo Pasquini colocando o Hospital em evidência internacional.
- O HC passa por mais uma crise financeira que se ampliava quantitativa e qualitativamente os serviços, onde o quadro de pessoal sofria uma redução em função da política de contenção de despesas adotadas pelo Governo Federal que impossibilitava a reposição das vagas surgida, além da expansão do quadro para atendimento ás demandas emergentes.
1980 O Centro Cirúrgico tem novas instalações no 5º andar do Prédio Central.
1981 É criada a FUNPAR – Fundação da Universidade Federal do Paraná para o Desenvolvimento da Ciência, da Tecnologia e da Cultura, com o objetivo de colaborar com pessoas jurídicas, instituições e órgãos públicos ou privados em programas administrativos, científicos e tecnológicos a serem estabelecidos pelas unidades da Fundação.      
1983 - Implantação do Alojamento Conjunto da Maternidade e da UTI Pediátrica.
1984  – O Hospital enfrente a primeira greve de funcionários, pelo período de 84 dias. O Diretor Geral interino era o Dr. Luiz Renato Teixeira. Em meados do mesmo ano assume como Diretor o Administrador Valdir Ribeiro Borba que permaneceu até 1985.
1986
É nomeado outro diretor para o HC, Dr. Paulo Franco de Oliveira. 
Cria-se o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar.
É criada a Associação dos Amigos do HC.                
Ainda, em 1986pela primeira vez, o Diretor Geral é escolhido pelo voto direto dos funcionários. Começa a administração do Prof. Ricardo Akelque trouxe muitas transformações ao hospital, destacando-se: a reformulação administrativa e o início da profissionalização da administração hospitalar. Foi o primeiro diretor a organizar um Plano Diretor, envolvendo projetos de obras, Projeto de Identidade Visual e Comunicação com a criação do símbolo do HC (logotipo) que se tornou sua marca registrada e passou a ser padrão nos impressos, identificando setores de atendimento, crachás e fachada externa e planejamento estratégico. O número de funcionários contratados pelo MEC era de 1.373 e 410 eram contratados pela FUNPAR. O número de leitos do HC era 439.
1988 Foi estruturada a Direção de Recursos Humanos (atual Unidade de Administração de Pessoas), e inaugurada a Creche do HC em 1988 mesmo ano da criação da Assessoria de Comunicação Social (atual Assessoria de Marketing Institucional).
1989 É criada a Assessoria de Informática(atualmente Serviço de Informática e integrante da Unidade de Informação) que em conjunto com a IBM informatiza o Hospital.
1990 
O Prof. Ricardo Akel é indicado para o cargo de Secretário de Assistência Médica do Ministério da Saúde, quando assume, então a Direção o Prof.Ehrenfried O. Wittig, que permanece até junho do mesmo ano, quando Dr. Osmar Martins é eleito para o cargo. Nesta gestão destacam-se a aquisição do terreno situado ao lado esquerdo do Hospital onde hoje é o prédio da Unidade de Urgência e Emergência Adulto.
HC Recebe do Ministério da Saúde o título de Hospital Padrão em controle de infecção hospitalar.SIH - Sistema de Informações hospitalares exportou tecnologia para outras instituições.
1991 Primeiro hospital do Paraná a realizar transplante de fígado intervivos em adultos e o segundo no Brasil a realizar transplante duplo de fígado e rim intervivos (um dos cinco casos citados na literatura médica mundial), pela equipe chefiada pelo Prof. Julio Coelho. Implantação do Serviço de Infectologia Pediátrica.
1992 Realização dos primeiros transplantes de córnea e de coração e são utilizadas pela primeira vez células de sangue do cordão umbilical em transplante de medula óssea.
1993 Apoio à expansão da então Assessoria de Informática com a criação do Sistema de Informações Hospitalares (SIH) passa a servir de modelo para vários outros hospitais do País. O Hospital Vitor do Amaral é reincorporado ao patrimônio da UFPR.
1994 Durante a preparação para nova eleição do Diretor, assume temporariamente o Prof.Edson Matos NovakEm 26 de agosto do mesmo ano, assume a direção o Prof. Mário Sérgio Julio Cerci, permanecendo até 1997. Em 14 de setembro, foi criado o Programa de Atendimento Integral de Epilespia abrangendo tratamentos clínicos, medicamentosos e cirúrgicos, bem como exame eletrencefalográfico.
1995 UNICEF concede o título de “Hospital Amigo da Criança” e ocorre o primeiro transplante de ossos do Serviço de Ortopedia e Traumatologia. Início das atividades da Unidade de Endocrinologia Pediatria, atualmente serviço de referência do Hospital.
1996 Primeiro centro de referência credenciado pelo Ministério da Saúde para tratamento do Hipotireodismo Congênito e Fenilcetonúria em crianças,diagnosticados pelo “Teste do Pezinho”. Foi realizada a primeira cirurgia de epilepsia pelo Programa de Atendimento Integral de Epilepsias.
1997 O Ambulatório de atendimento exclusivo Referência Nacional e primeiro Centro da América Latina e o Programa de Atendimento Integral de Epilepsias é credenciado como um dos 8 centros nacionais de referência para tratamento cirúrgico. É inaugurada a UTI Neonatal do Hospital, umas das primeiras do estado e referência para este tipo de atendimento.Criação do Comitê de Ética em Pesquisas em Seres Humanos, um dos primeiros do Brasil.
1998

São inaugurados o Banco de Olhos e o Banco de Ossos e Tecidos Músculo-Esqueléticos.

Assume como diretor do HC o Professor Antonio Carlos L. Campos e posteriormente o Prof. Mitsuru Myaki. 

Criação do Serviço de Ouvidoria.

1999

Implantação do Programa de Parto Humanizado. Inauguração do Centro de Neuropediatria(CENEP).

Assume a Direção do HC o Professor Júlio César Wiederkehr.

Inaugurada a sede do Serviço de Endocrinologia e Metabologia do HC.

2000

Acontece o primeiro transplante duplo de pâncreas.

O HC torna-se consultor técnico do Ministério da Saúde para a Qualidade da Gestão e Assistência.

Inauguração do Laboratório de Função Pulmonar do Serviço de Pneumologia.

É designado para diretor geral do HC o Professor Luiz Carlos Sobânia.

2001

O Hospital passa a fazer parte da Rede Nacional de Humanização da Saúde. 

Inauguração das novas instalações do Biobanco (Banco de Sangue e do Banco de Cordão Umbilical.

O grupo de Teatro Anticorpus, formado pro funcionários e pacientes do HC, estreia com a apresentação da peça "Os Esquecidos" na Sipat 2001.

Com saída do então diretor Profº Luiz Carlos Sobânia, convidado a assumir a Secretaria de Estado da Saúde do PR, assume como Diretor o Prof. Giovanni Loddo.

2002

Primeiro transplante duplo intervivos de fígado e rim.

Início da Implantação do Projeto de Unidades Gerenciais.

Inaugurado o Centro da Visão (Novas instalações do Serviço de Oftalmologia)

O professor Giovanni Lodo é reconduzido ao cargo pelo reitor Carlos Augusto Moreira Jr. Permanecendo até fevereiro de 2009.

Esta gestão priorizou uma administração mais participativa e, também com um gerenciamento mais eficaz e, para isso, adotou um novo modelo administrativo chamado de Unidades Funcionais(hoje denominado Unidades Gerenciais) . Também sempre foi prioridade a busca de parcerias frente às esferas de governo bem como as associações que apóiam o HC. Esta administração possibilitou a realização de diversas obras que revitalizaram toda a estrutura física do Hospital com a reforma e adequação de vários serviços, que em muitos casos, não eram reformados desde a inauguração da instituição. Entre as principais obras estão: Reformas dos serviços de UTI Neonatal, Ortopedia, Alas pediátricas do Anexo C e B, Serviços de Clínica Médica Feminina e Masculina, Lavanderia, Serviço de Cardiologia, Ambulatórios do Anexo B e Implantação da ala pediátrica do Serv. de Transplante de Medula Óssea. Além dessas obras a construção do Prédio destinado a Unidade de Urgência e Emergência, com 5.780m2 que custou R$ 3,8 milhões recursos advindos de uma emenda da bancada federal do Paraná, o Anexo G com 2.184m2 com investimentos do governo do Estado do Paraná que totalizaram R$ 2,4 milhões e que recebeu o Serviço de Coleta do Laboratório e também está preparado para receber o Serviço de Radioterapia; e a restauração de toda fachada do Hospital foram marcantes para a Instituição. Aliado as reformas física a gestão também enfocou a melhoria da qualidade dando início ao processo pela busca da Acreditação Hospitalar com a implantação da Comissão de Acreditação do HC.

2003 Inauguração do prédio da Unidade de Urgência e Emergência Adulto, com 5.689,75m2 e sete pavimentos. Constituição da Comissão de Gerenciamento de Resíduos do HC, cujo trabalho é considerado referência para os demais hospitais universitários.
2004  O HC é um dos primeiros hospitais certificados pelo Ministério da Educação e Cultura e Ministério da Saúde, como Hospital de Ensino. Criação do Serviço de Epidemiologia. Assinatura dos primeiros contratos de gestão pelas Unidades Gerenciais.
2006 Implantação do Centro de Distúrbio de Deglutição e Voz.
2007

 É inaugurado o Centro de Pesquisas em Células-Tronco Cardíacas.

Serviço de Quimioterapia de Alto Risco inaugura novas instalações.

Serviço de Transplante de Medula Óssea inaugura Centro de Pesquisa e é o primeiro do Brasil a receber o Certificado Internacional do Programa Nacional do doador de Medula (NMDP), por cumprir 100% dos requisitos necessários recebe título.

2009 
HC é referenciado para atender a pandemia de gripe A H1N1 e faz atendimento prioritário durante seu ápice.
Inaugura-se a Enfermaria Mãe Canguru, a primeira do estado e se torna referência do Ministério da Saúde para multiplicar o método no Paraná.
É inaugurado o ambulatório de Medicina Fetal.
Serviço de Transplante de Medula Óssea completa 30 anos com mais de dois transplantes realizados.
Pela primeira na sua história, uma mulher assume a direção geral: Heda Amarante, professora e médica gastroenterologia, designada pelo atual Reitor da UFPR Prof. Zaki Akel Sobrinho para assumir o cargo, com o desafio de administrar um orçamento que gira em torno de 90 milhões por ano.
2010 

Primeira Residência Multiprofissional.

O Ambulatório de Medicina Fetal faz transfusão sanguínea inédita no Hospital e a primeira cirurgia no Brasil com o procedimento EXIT/OOPS para traqueostomia.

O projeto de gestão ambiental do HC é considerado pelo MEC como exemplo para a área da saúde. 

É criada a Assessoria de Gestão da Qualidade.
É lançado em abril o Boletim Informativo interno "O comprimido".
2011

- Hospital de Clínicas da UFPR completa 50 anos de atividades.

- HC é o primeiro hospital a realizar o implante coclear pelo SUS no Paraná.

- Dois projetos do HC, estão entre as 10 melhrores práticas do MEC:  Gerenciamento dos contratos de comodato do Laboratório de Anáslises Clínicas" da Unidade de Apoio e Diagnóstico e "Campanha HC, Hospital 5 Estrelas" , este último um esforço conjunto das assessorias de Gestão da Qualidade e de Marketing Institucional.

- O Hospital tem o seu número de vagas para a Residência Multiprofissional duplicado pelo MEC.

- O HC passa por avaliação e é indicado para receber a certificação de Hospital Acreditado.

- Diretoria de Enfermagem é reintegrada ao organograma da instituição.

- Medicina Fetal realiza tratamento inédito no sul do país que corrige síndrome da transfusão feto-fetal.

- Banco Mundial visita HC e o torna referência em gestão de Resíduo Hospitalar.

Ambulatório de Nefrolitíase, em parceria com o Lamir, realiza análise das "pedras" extraídas dos rins.

2012

UFPR completa 100 anos.

Bebê com seis meses é operado no Centro de Cirurgia de Epilepsia, é o mais novo da história do Centro que já realizou 300 procedimentos como este.

Sempr inaugura novas instalações na Rua Agostinho Leão Júnior.

CEP - Comitê de Ética e Pesquisa em Seres Humanos comemora 15 anos de atividades.

Serviço de Cirurgia do Aparelho Digestivo celebra a realização do 500º transplante de fígado no ano quem comemora 21 anos da realização do primeiro.

2013

Flávio Daniel Saavedra Tomasich, professor da disciplina de técnicas operatórias da UFPR, assume a direção geral do HC.

O serviço de Nefrologia, chefiado por Marcelo Mazza, em conjunto com a Unidade de Terapia Intensiva, chefiada por Hipólito Carraro Júnior, realizam a primeria sessão de hemodiálise estendida devido a aquisição do sistema Gênius.

Hospital de Clínicas entre os mais admirados da Medicina do país.

Até março/2013, novos remédios contra artrite são incorporados ao SUS devido a pesquisas do Serviço de Reumatologia, sob coordenação do professor Sebastião Radominski.

É publicada a primeira edição da Carta de Serviços ao Cidadão.

Nutes/UFPR inaugura os serviços de Telessaúde na sede do HC.

JHC - Jornal do Hospital de Clínicas chega no seu ano 25.

2014

UTI Neonatal do HC é certificada como Centro Estadual de Referência do Método Canguru

É realizada a primeira prótese total de tornozelo em hemofílico no Brasil pelos médicos Luciano da Rocha Loures Pacheco e  João Luiz Vieira da Silva.

Boletim Informativo interno "O comprimido", lançado em abril de  2010, chega a sua edição 50, no seu quinto ano de circulação. 

Serviço de Transplante de Medula Óssea (STMO) do Hospital de Clínicas recebeu dois importantes prêmios – “Prêmio Alírio Pfiffer” e “Prêmio José Roberto de Moraes”. Tal premiação ocorreu na edição 2014 do Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO) realizado em Belo Horizonte.

O Hospital de Clínicas recebeu o Selo “Qualidade em Transplante do Paraná 2014”, na categoria Transplante Hepático, pelo cumprimento das metas no processo de qualificação dos Centros Transplantadores do Paraná. 

Programa de Atendimento Integral de Epilepsias do HC/UFPR completa 20 anos.

Serviço Médico de Coloproctologia comemora 25 anos.

O Hospital de Clínicas passa a integrar a rede de hospitais que têm gestão compartilhada com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitaleres (Ebserh). O contrato de co-gestão foi assinado pelo reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho, no dia 30 de outubro de 2014.

HC é o primeiro Hospital de grande porte (e primeiro hospital universitário também) a contar com termodesinfectadoras (Novembro).

O Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) renova seu parque tecnológico e passa a contar o RIS/PACS. A sigla vem da expressão inglesa que designa o sistema que organiza e gerencia os exames de imagens. Com isso, os  exames de imagens saem da era analógica para a digital. O lançamento do sistema aconteceu no dia 22 de dezembro.

2015 A portaria da Ebserh nº 64 de 19/01/15,  publicada no Diário Oficial da União no dia 22 de janeiro, designou o diretor geral do HC Flávio Tomasich para Superintende do Complexo HC que, além do Hospital de Clínicas, também engloba a Maternidade Victor Ferreira do Amaral.
2016

O Hospital de Clínicas recebeu o Selo “Qualidade em Transplante do Paraná 2016”, na categoria Transplante Hepático, pelo cumprimento das metas no processo de qualificação dos Centros Transplantadores do Paraná pela segunda vez. A primeira foi em 2014. O Homenageado foi Dr. Júlio Coelho, chefe da Unidade de Clínica Cirúrgica, responsável pelos transplantes.

Em agosto de 2016, a Equipe de Medicina Fetal composta, agora, apenas por profissionais do Hospital de Clínicas comandou o procedimento  doença em questão eracirúgico para tratar da “síndrome de transfusão feto-fetal” em gêmeos , quando um feto recebe mais sangue do que o outro. Esta ação colocou o Hospital como referência na área no sul do país.